Um Pálido Ponto Azul

Várias versões do texto de Carl Sagan sobre a imagem da terra que mostra nossa insignificância perante a grandeza do universo.

Captura de Tela 2014-01-10 às 16.55.36

Minha formação religiosa é toda católica, mas sou praticante do Saganismo, termo difundido nas redes sociais para definir pessoas que, impactadas pela obra de Carl Sagan, tendem a ser mais céticas e racionalistas.

Ele se notabilizou como um dos maiores divulgadores científicos do mundo e eu fui muito impactado pela série Cosmos. Inclusive semana passada publiquei um conteúdo sobre o disco dourado da Voyager, uma das histórias mais marcantes dentre as que aprendi assistindo o programa televisivo.

E por falar na Voyager, quando ela estava a 6,4 bilhões de quilômetros da Terra, esta sonda espacial recebeu um comando para se virar e fotografar o caminho percorrido. Uma das imagens enviadas mostrava a terra como insignificante e, nas palavras de Sagan, “pálido ponto azul”.

Inspirado pelo registro, em 1994 o cientista lançou um livro chamado Pálido Ponto Azul – Uma Visão do Futuro da Humanidade no Espaço, também gravado em Audio Book, e no vídeo abaixo, uma versão legendada de We Are Here: The Pale Blue Dot, sobre texto de Carl Sagan, narrado por ele próprio:

O texto é lindo e nos ajuda a pensar sobre nossa irrelevância diante da grandeza do universo. Um blog chamado Zen Pencils, que faz quadrinhos com textos famosos em inglês, ilustrou em tirinhas o relato de Sagan e o blog brasileiro Um Sábado Qualquer traduziu. Espia:

2013-01-21-sagan2-baixa

De todas as versões, a que eu mais gosto e a com maior poder de atrair os ninjas cortadores de cebola é a editada e gravada pelo dublador Guilherme Briggs, contendo uma boa dosagem de emoção para nos trazer um olhar diferente sobre o nosso planeta. Assista:

Autor: Pedrox

Jornalista. Mestre em Planejamento do Desenvolvimento (NAEA/UFPA). Bacharel em Direito e em Comunicação Social/Jornalismo. Professor do curso de Jornalismo e Publicidade & Propaganda na Estácio FAP.

Um pensamento em “Um Pálido Ponto Azul”

  1. Fantástico, cara!
    Comecei me apaixonando pelo assunto quando li “A Dança do Universo” de Marcelo Gleiser. Só então que eu parti para as leituras de Sagan. E eu concordo sobre o vídeo com o Guilherme Briggs hehehe. Keep blogging

Escreva um comentário