Para quem torcer na final da Copa de 2014?

Vamos estabelecer algumas questões por aqui sobre a final da Copa entre Alemanha e Argentina.

Você pode não torcer para ninguém.

Você pode torcer para ambos.

Você pode torcer para a Argentina.

Você pode torcer para a Alemanha.

Você não precisa necessariamente ter ascendência nesses países, ter morado lá ou achar qualquer vínculo para optar por um dos lados. É apenas uma escolha e esses fatores podem contribuir, mas não devem ser excludentes.

Torcer para qualquer um desses não te torna melhor nem pior que os outros.

Torcer contra a Argentina não significa odiar os argentinos. É apenas rivalidade futebolística, como um RExPA. Você pode torcer por um time e seu melhor amigo torcer por outro sem que vocês precisem se tornar inimigos.

Rivalidade continental não é melhor, nem pior que rivalidade entre continentes. Ser América do Sul e torcer contra a Europa é UMA OPÇÃO DE RIVALIDADE semelhante ao ser Brasileiro e torcer contra a Argentina, ok? Só numa escala maior. E ninguém é menos consciente, inteligente ou capaz por optar por qualquer uma dessas ALTERNATIVAS de rivalidade.

Torcer para a Argentina não te torna menos brasileiro ou mais argentino.

Torcer para a Alemanha não te torna menos sul-americano ou mais europeu.

Torcer para a Argentina não significa torcer para o Paysandu, apesar da camisa ser parecida e torcer contra a Argentina também não significa torcer para o Remo. São instituições MUITO diferentes.

Torcer para a Alemanha não é ~síndrome de Estocolmo~. O massacre deles não foi mais do que resultado do trabalho deles, nosso objetivo de impedi-lo ou impor nosso futebol é que foi frustrado por deficiências nossas.

Se você repreende alguém que torce para mais de um time, o chamando de ~torcedor misto~, não ganha ~imunidade~ na Copa. Torceu para a Alemanha ou para a Argentina, é misto da mesma forma. Entendeu? E isso não significa ser melhor ou pior. É apenas uma opção.

Torcer contra a Argentina não te impede de amar o país, apreciar suas cidades e gostar de seus habitantes.

Torcer contra a Alemanha não te impede de amar o país, apreciar suas cidades e gostar de seus habitantes.

Lembre-se que apesar de tudo é apenas um torneio de futebol. Muita gente ficou triste e muita gente ficará feliz, mas é apenas uma competição, a maior de todas neste esporte, mas ainda assim, uma competição.

E futebol não necessariamente precisa estar associado à razão. O importante é apreciar este belo e histórico jogo, torcer e ser feliz.

[publicado originalmente no Facebook]

#CPBR7: Casa de Cultura Digital do Pará marca presença em debate sobre hubs criativos

O encontro das CCD do Brasil aconteceu na última tarde da Campus Party 2014. Kamila Brito representou a filial paraense, que completa 1 ano hoje.

CPBR7-HubsCriativos

Na tarde da sexta, 31 de janeiro de 2014, A Casa da Cultura Digital de São Paulo – a matriz – apresentou no palco Michelangelo da sétima edição da Campus Party Brasil experiências de arranjos produtivos locais ligados à cultura digital e à economia criativa com o primeiro encontro das Casas da Cultura Digital do país.

As Casas de São Paulo, Porto Alegre, Campinas e Belém apresentaram o dia-a-dia de cada hub, expondo seus projetos e suas metodologias de trabalho. A CCD Pará completa um ano de existência neste sábado, dia 1º  de fevereiro e apresentou sua experiência com o barco hacker, que leva cultura digital para diversas comunidades que vivem às margens dos rios da redondeza. O barco é inspirado no ônibus hacker, construído pela CCD-SP, se definindo como um veículo de cidadania e produção de conhecimento.

Afinal, o que é uma casa da cultura digital? As experiências dos integrantes das quatro casas foram relatadas, convidando os ouvintes a interagir com perguntas e provocações. Assista o vídeo para entender:

Continue lendo

CINE LISO: Após repercussão nacional @blog100Grana exibe Robocop clássico

Projeto foi destaque no VER TV da TV Brasil, canal da EBC-SP. Robocop será exibido neste sábado (18), às 16h, no Cine Líbero Luxardo. Entrada Franca.

Robocop-giphy

Trazer clássicos dos anos 70, 80 e 90, que não são exibidos mais nem na “Sessão da Tarde”, para as telonas e com dublagem original. Está é a proposta do Cine Liso, iniciativa do blog 100Grana que, depois de exibir Os Aventureiros do Bairro Proibido, Curtindo a vida adoidado e História sem fim acabou chamando a atenção do programa VER TV da TV Brasil, canal da EBC com sede em São Paulo.

O tema do programa era “A relação do cinema e da televisão: cinema em todas as telas”. A reportagem foi exibida no dia 20 de dezembro no programa apresentado por Lalo Leal (professor da ECA-USP) com a participação de Sérgio Rizzo (do Valor Econômico), Keila Jimenes (da Folha de S. Paulo) e Luis Cabral (Documentarista – SESC TV).

Confira o trecho em que falam do Cine Liso (a partir do minuto 33 do vídeo):

Continue lendo